quinta-feira, 10 de maio de 2012

Serie Viajante Soltário - Conto 09


Na foto, um palhaço dança no centro de Londres mais precisamente em Covent Garden, ele se parece tanto comigo... sorriso estampado na face e olhar tristonho. O que acontecerá conosco, palhaços sem picadeiro, que temos sempre tendência a chorar ? Doses de lágrimas e tristeza devem ser necessárias ao corpo. É apenas um jornal velho.
Viajante, viajante !
Chão quente. Areia fina, salgada e escaldante, mas deliciosa de empurrar com os pés. Quantas centenas de milhões de partículas não existirão aqui, como o número de homens que já viveram na face dessa terra desde a criação até hoje. Homens que vieram do pó e a ele retornaram. Nessas partículas que faço voarem com o vento quando ando, haverão homens ? Possivelmente nessas areias séculos atrás alguém foi sepultado tornando-se pó. Permita-me andar sobre ti, amigo.
Homens vieram e foram embora.
Também vim, mas quando irei ?! Terei cumprido minha missão ? Certamente, pois todos nós cumprimos seja para o bem ou para o mal. Não haveria perdão sem alguém a ser perdoado.
E eu, aguardo o dia de cumprir a que vim. Um sábio disse que tudo tem o seu tempo determinado debaixo do céu: "Há tempo de nascer, e tempo de morrer. Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou. Tempo de matar, e tempo de curar. Tempo de derrubar e tempo de edificar.
Tempo de chorar, e tempo de rir. Tempo de prantear, e tempo de saltar. Tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras. Tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar.
Tempo de buscar, e tempo de perder. Tempo de guardar, e tempo de jogar fora. Tempo de rasgar, e tempo de coser. Tempo de estar calado, e tempo de falar. Tempo de amar, e tempo de aborrecer. Tempo de guerra e tempo de paz."
Os dias se manifestam silenciosos com o raiar do sol sem que percebamos.
A areia começa a esfriar e a umedecer.
Meus pés a cada passo afundam com mais facilidade nela.
Estará ela me tragando faminta, como um portal para que o inferno me devore indefeso ? Forças querem me impedir, arremessam-se contra mim contendo minha caminhada, que se torna cada vez mais difícil exigindo mais e mais força.
Certamente fui envenenado, pois o equilíbrio está me faltando, o chão não é fixo e um aperto no peito... Batem-me na cara, mãos frias e percebo o corpo todo frio. Não consigo mais andar. Começo a voar, subo ao alto e retorno ao chão.
O ar, preciso dele.
O guardião do Hades me questiona:

- Aonde pensa que vai ?
Eu acordo. Não é  guardião nenhum, é o salva-vidas em um bote, e eu estou no mar com água até o pescoço.

- Acalme-se homem. - digo - Está tudo bem.
E como exímio nadador que sou exercito-me fazendo companhia aos peixes, conjugando-me com a natureza. Livrei-me de ti Netuno e de tuas sereias, perdeste de mim hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário